William Hanna assina Mostra Sensorial na Bela Arte

A partir de uma ideia cativante e até poética, a primeira Mostra da Bela Arte 2016 apresenta o ambiente ‘Sensorial’, assinado pelo arquiteto William Hanna. Com um apelo estético mais aconchegante, o profissional teve a intenção de acolher todos os visitantes da loja nesse período de exposição. “Eu quis trazer para o espaço a vontade de sentir o local, caminhar, sentar, tocar. Por isso tantos elementos que remetem à essência da vida”, explica o profissional.

De acordo com Hanna, quando se dispõe a realizar uma mostra que irá receber visitantes, há uma preocupação maior de sua parte com o que inserir no espaço. Ele visou em diferenciais que pudessem fugir do caos urbano, da correria do cotidiano. “Quem sabe eu posso trazer para as pessoas algo que as faça buscar a simplicidade?!”, foi o pensamento do arquiteto enquanto desenvolvia o projeto. Hanna ainda completa que a sua intenção nunca foi um ‘boom visual’, como chama, mas sim a proximidade com o público.

O profissional apostou no cobre, nos tachos suspensos e nas luminárias, assim como a madeira e os tons predominantes neutros e terrosos, para despertar o interesse dos visitantes de sentir o ambiente. Mesmo com o objetivo de despertar a atenção do público para uma vida mais singela e serena, Hanna não abriu mão do melhor do design mundial no que diz respeito a adornos, mobiliário e revestimentos. A Cortina Parametre, da Hunter Douglas, por exemplo, ele destaca pela sua versatilidade, podendo ser utilizada também como um divisor de espaços, já que o ambiente é um loft.

BELAARTE-109

Um material diferenciado, com inúmeras possibilidades de aplicação, e que chama a atenção no projeto de William Hanna é o Chroma XT, da 3form. “Eu preferi usar a placa limpa e transformá-la em tampa de mesa”, conta. Ele ainda inseriu uma base em forma de tronco de árvore pouco trabalhado, justamente para propor uma harmonização rústica e aconchegante. O arquiteto enfatiza que a busca pelo aconchego está em cada detalhe do seu ambiente. “Eu compreendo que o meu papel como profissional é traduzir para a realidade o sonho de uma família”, conclui.

edit BELAARTE-53